Arquitetura no Brasil Colonial

Principais tópicos:

  • Período: Brasil Colônia (século XVI a século XIX).
  • Modelo informal de urbanização, com raízes medievais: ruas estreitas e irregulares, acompanhando as curvas de nível das encostas dos morros e outros acidentes geográficos como os rios (curvas e constantes subidas e descidas).
  • Cidades ainda preservadas e designadas como patrimônios mundiais pela Unesco, como Olinda (Pernambuco) ou Ouro Preto (Minas Gerais).
  • Outros exemplos de cidades históricas e com arquitetura colonial, preservadas até hoje: Mariana (Minas Gerais), Salvador (Bahia), Paraty (Rio de Janeiro).
  • A maioria das construções civis coloniais, apresentam padrões simples e pouco diversificados: monotonia repetitiva de fileiras de fachadas, paredes lisas e brancas, janelas e portas com molduras em pedra ou madeira pintada com cores vivas.
  • Por ocasião das festas religiosas que aconteciam (e ainda acontecem) com frequência nos tempos coloniais, as janelas com sacadas se tornavam camarotes ideais para assistir às procissões; eram enfeitadas com colchas e flores.
  • Era muito comum o compartilhamento de atividades administrativas, como nas casas de câmara e cadeia (símbolo do poder político da época), ostentando uma torre com o “sino do povo”.
  • As igrejas eram simples, normalmente brancas, destacando-se no meio das vilas.

Fonte de referência: História da Arte no Brasil: textos de síntese, Ed. UFRJ. Trecho de texto da autora Myriam Andrade Ribeiro de Oliveira.

 

2 comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s